Baseado em uma história real, este filme mostra uma realidade pouco conhecida e uma relação singular, ao narrar o profissional e emocional vínculo entre a cabo da marinha norte americana e seu cão farejador na Guerra do Iraque. Todo mundo deveria conhecer o trabalho destes cães! O filme ajuda a refletir sobre disciplina, estratégia, camaradagem e proposito. Emocione-se e aprenda com esta história!

Megan Leavey, em cartaz no Telecine NOW, é um filme tocante baseado na história real da jovem cabo Megan Leavey (interpretada de maneira excelente por Kate Mara) da Marinha norte americana cuja diferenciada disciplina e fortes laços afetivos com seu cão de combate salvaram inúmeras vidas durante sua missão na Guerra do Iraque. Leavey recebeu várias medalhas por heroísmo em combate, inclusive a honrosa Purple Heart.

A narrativa acompanha a vida da protagonista desde quando ela decide entrar para a Marinha norte americana e boa parte de sua trajetória depois que deixou o serviço militar. Aborda também a singular e marcante relação que construiu e manteve com o cão Rex, um pastor alemão farejador da Unidade K-9 d Marinha norte-americana.

Se o vínculo entre homem e cão já é intenso, entre um adestrador de cães militares e seu cachorro é maior ainda, como mostra o filme. A cena em que a protagonista é levada para um hospital em um helicóptero e o cão a observa no solo, movendo-se ansiosamente e uivando, é uma das cenas mais tocantes do filme.

Cães militares tem um papel relevante nas guerras sobretudo por sua capacidade e alta inteligência. Em tempo de intenso terrorismo, eles facilmente detectam explosivos enterrados, esconderijos de armas e produtos químicos. Estes cães são realmente incríveis!

O filme fala sobre o inquebrantável espírito humano, sobre a descoberta de propósito, sobre os laços entre homens e animais, sobre disciplina, desafio, estratégia e camaradagem.

Na foto, a verdadeira Megan Leavey

Entre as lições que podemos tirar deste filme e que você pode discutir com sua equipe estão as seguintes:

1.Encontrando não somente o melhor amigo, mas um propósito

Megan Leavey é mais uma história de amor do que um filme de guerra. É menos um filme de ação e mais uma história preocupada com o vínculo entre uma mulher e seu cão. Ela é uma mulher que, através do cão e das ações heróicas em que ambos se envolvem, descobre não apenas um afeto especial, mas um significado e um propósito de vida. É uma história de união, companheirismo, amizade e sobrevivência. Sobrevivência não quer dizer apenas deixar o campo de batalha vivo. Mas também salvar seu seu parceiro, sua amizade, como Megan deve fazer por Rex, falar em seu nome, advogar por ele e defender seu bem-estar.

Ao longo do filme Leavey passa por um processo de profunda transformação, de uma garota sem saber o que quer da vida para uma heroína determinada, que encontra seu propósito de vida na relação que cria com seu cão farejador. A história da verdadeira Leavey, que depois se tornou adestradora de cães das Nações Unidas e veterinária em Nova Jersey revela este destino.

2.A disciplina e o treinamento são essenciais para a formação do herói

A primeira metade do filme aborda o encontro de Megan com Rex e o processo de adestramento que irá formar os laços entre a mulher e o cão. Desde o interesse de Megan pelo tipo de serviço da Unidade de Cães Farejadores, algo que lhe dá sentido na marinha, passando pela resistência inicial de Rex, a insegurança e inexperiência de Megan, até as arestas se aparando entre os dois lados, acompanhamos a evolução do especial e singular vínculo profissional entre cabo e cão farejador – ambos com jobs bem claros e específicos, que ficarão comprovadamente reconhecidos na excelente performance no Iraque na cena em que descobrem um grande arsenal de armas escondido na casa de um árabe comerciante de tapetes.

Os cães sabem farejar explosivos, mas os soldados precisam aprender a dar ordens, elogiar, guiar e, se necessário, fornecer assistência médica aos cães feridos. Tudo isso requer intensa ligação e confiança mútua entre soldado e cachorro. Como o treinador de cães lembra a Megan: “Tudo o que você sente reflete-se na coleira”. Mas Megan não é uma pessoa particularmente calorosa, ela não faz conexões facilmente. Então, o treinador diz a ela: “Eu não posso te ensinar como se unir”. A ligação, isto é, o “vínculo”, vai acontecer através do fazer, da prática…

A cena em que Megan vai ao canil no meio da noite e “sequestra” Rex para seu quarto é singela e tocante para ilustrar essa ligação se formando.

3. A diversidade e a camaradagem entre os membros do time fazem o sucesso

Após a cena da localização do arsenal de armas por Rex, os soldados festejam o resultado e parabenizam Megan pelo desempenho. Como uma das únicas mulheres no acampamento militar, até então ela ficava isolada e não interagia socialmente como o resto do time.

Há até uma cena em que sutilmente se percebe a diferença entre homens e mulheres no acampamento, onde os soldados improvisaram um banheiro para sexos diferentes.

Sua performance ao descobrir o arsenal de armas escondidas acaba gerando aceitação e confiança por parte dos soldados que aplaudem e agradecem seu bom trabalho. A partir daí, ela será mais valorizada.

Aqui podemos discutir o significado de time e trabalho em equipe – a luta pelo objetivo comum, os valores compartilhados, o expertise de cada um (o próprio Rex, com sua habilidade super importante)…enfim, a ideia de camaradagem.

Se você ainda não viu o filme, sugerimos que você não leia o texto a seguir, pois isso estragará a surpresa do final.

4. Pensar estrategicamente: ter um plano e ser determinado traz a realização

No terceiro ato, o filme revela a luta que levou Leavey a se tornar uma figura conhecida nacionalmente nos Estados Unidos. A partir do desafio que recebe de seu pai, Leavey decide lutar para tirar Rex, já adoentado, do serviço e adotá-lo. Para isso, ela tem uma ideia e desenvolve um plano.

Na verdade ela cria uma estratégia. Procura entre os membros do Congresso, o Senador Chuck Schumer que, por seu perfil, poderia apoiá-la em sua causa e, sem qualquer medo, decide abordá-lo nas escadarias de um prédio público. Conseguindo seu apoio, ela começa a coletar as necessárias centenas de assinaturas para obter o seu pleito junto a Marinha. Sua determinação será crucial para conseguir realizar seu intento. Sua luta durou 4 longos anos até finalmente obter a adoção de Rex, quando o cão teve sua aposentadoria.

Lição aprendida: ela soube formular a estratégia apropriada e também soube executá-la eficazmente.

 5. Quando um feedback é bem dado gera resultado!

Leavey está perdida na última parte do filme, parece que desistiu de viver. Então seu pai tem uma breve conversa com ela ao pé da cama, e com base nas suas palavras e no desafio que ele lhe lança, ela ganha coragem e recursos para lutar contra uma simples injustiça que partiu seu coração, mas não quebrou completamente seu espírito.

A forma como seu pai dá o feedback para Leavey sobre como ela está vivendo é sensível e a toca de maneira eficaz para provocar a ação necessária, ao contrário do que a mãe fizera algumas cenas antes. Discuta com sua equipe sobre o jeito de como o pai soube conduzir a conversa com a filha!

É aqui que o filme encontra seu verdadeiro propósito; tudo que aconteceu antes só carrega o personagem para este ponto onde a transformação de uma “ninguém” para “guerreira” campeã de sua causa fecha esta história completa e comovente de uma verdadeira vencedora – como mostra a saudação da multidão no Yankee Stadium.

Por: Marco A. Morsch é fundador da Morsch Consulting e consultor parceiro da Ge.company, palestrante, autor e professor de administração da Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Compartilhe nas Redes Sociais