O entendimento sobre um modelo prático para a contabilização da folha de pagamento tem sido um desafio para iniciantes aos profissionais da contabilidade financeira.

Em primeiro instante, é preciso entender que os funcionários estão alocados ao seu local de trabalho; que chamamos de departamento, representando a unidade minima administrativa onde os funcionários encontram-se alocados.

Assim, uma empresa encontra-se dividida em áreas, que chamamos de departamentos; exemplificamos abaixo algumas das principais segregações (departamentos):

  • Departamento produtivo: Local onde estão alocados os funcionários da produção e que tem contato direto com a manufatura (produção dos produtos)
  • Departamento produtivo direto: Local onde estão alocados os funcionários que atuam diretamente no processo produtivo
  • Departamento produtivo indireto: Local onde estão alocados os funcionários que orientam o pessoal da produção; tais como os gerentes e supervisores do processo produtivo.
  • Departamento administrativo: Local onde estão alocados os funcionários da administração, e quem como função em administrar os recursos alocados dentro de uma empresa; tais como: Departamento de controladoria; departamento financeiro; departamento jurídico, etc.
  • Departamento comercial: Local onde estão alocados os funcionários que atuam diretamente com os clientes, no objetivo de realizar ou impulsionar as vendas; tais como os gerentes e diretores comerciais; representantes de vendas; vendedores; departamento de marketing; etc.

Conforme demonstramos acima existem funções específicas e os funcionários são alocados em diversos departamentos dentro de uma empresa; e complementando temos outros departamentos, tais como: da portaria; segurança; almoxarifado e armazenagem.

O desafio do processamento da folha de pagamento ao profissional da contabilidade é a correta alocação dos gastos com pessoal aos seus respectivos departamentos e para isto o pleno entendimento da elaboração de um roteiro de contabilização (plano de contas) contribuirá na rápida e correta alocação dos gastos aos seus respectivos departamentos.

Afim de facilitar nossa explicação, convencionou-se num modelo prático em elaborar um plano de contas (roteiro para contabilização dos gastos empresariais) em:

Grupo de contas do processo produtivo: Neste grupo são classificados os gastos com o pessoal da produção, que denominou-se entendê-los como custos diretos e indiretos; sendo importante a correta classificação, pois este grupo são classificados os gastos alocados a produção e todo o valor contabilização neste grupo, de acordo com o modelo de custo denominado e aceito pela legislação tributária, o custeio por absorção, tornam-se primeiramente estoque e somente são classificados no CUSTO DO PRODUTO VENDIDO no momento da transferência de posse (venda do produto) ao mercado consumidor. Para individualizar os gastos com o pessoal do processo produtos (diretos e indiretos), um modelo aceito é que seja direcionado ao grupo de contas com os dígitos 3.1.1

Grupo de contas do administrativo: Neste grupos são classificados os gastos com o pessoal da administração e que denominou-se entende-los como despesas; pois refere-se aos gastos da administração e este pessoal não tem contato direto com o processo produtivo e de acordo a legislação tributária, o custeio por absorção, estes gastos tornam-se diretamente despesas e não são alocados ao CUSTO DO PRODUTO PRODUZIDO ou VENDIDO, sem transitar ao estoque e no fechamento mensal são alocados diretamente como dedução do lucro, sem transitar ao estoque do produto produzido. Para individualizar os gastos com o pessoal da administração, um modelo aceito é que seja direcionado ao grupo de contas com os dígitos 3.2.1

Grupo de contas do comercial: Neste grupos são classificados os gastos com o pessoal do departamento comercial, vendas e marketing e que denominou-se entende-los como despesas; pois refere-se aos gastos de vendas e este pessoal não tem contato direto com o processo produtivo e de acordo a legislação tributária, o custeio por absorção, estes gastos tornam-se diretamente despesas e não são alocados ao CUSTO DO PRODUTO PRODUZIDO ou VENDIDO, sem transitar ao estoque e no fechamento mensal são alocados diretamente como dedução do lucro, sem transitar ao estoque do produto produzido. Para individualizar os gastos com o pessoal do comercial da administração, um modelo aceito é que seja direcionado ao grupo de contas com os dígitos 3.3.1

Verifique nos parágrafos anteriores que os grupos são segregados pelo segundo dígito de classificação: 3.1.1; 3.2.1 e 3.3.1.

Os 03 primeiros dígitos representam os grupos e os demais, dígitos a partir daí representam as contas contábeis de acordo aos eventos que direcionam os gastos, o modelo abaixo demonstra a segregação contábil dos eventos de acordo a departamentalização. Verifique que as nomenclaturas (nomes das contas, são praticamente os mesmos, o que individualiza os gastos são as classificações ao seu respectivos grupos, os gastos do processo produtivo no grupo de contas: 3.1.1. os gastos da administração no produto de contas: 3.2.1 e os gastos do comercial no grupo de contas: 3.3.1

Para um melhor desmembramento e simplificação, podemos utilizar de um artifício ainda mais valioso que denominamos o grupo dos centro de custos; assim numa fábrica de cerveja ou refrigerantes temos os seguintes departamentos:

  • Departamento de processo: Onde ocorre a fabricação do produto (cerveja ou refrigerante)
  • Departamento de maturação: Onde ocorre um período em que a cerveja ou refrigerante entra num processo de purificação ou decantação
  • Departamento de envase: Onde o produto já pronto são alocados as latas ou vasilhames

Visando individualizar os gastos dos departamentos do processo produtivo, podemos agregar as seguintes classificações complementares as contas anteriormente apresentadas:

  • Departamento de processo: Centro de custo 11. 101
  • Departamento de maturação: Centro de custo 11.102
  • Departamento de envase: Centro de custo 11.103

Exemplos:

  • Os gastos com salários do processo produtivo do departamento do processo seria classificado no seguinte modo: 3.11.03.01.01 (conta de salários) 11.101 (centro de custo da produção)
  • Os gastos com salários do processo de maturação do departamento do processo seria classificado no seguintes modo: 3.11.03.01.01 (conta de salários) 11.102 (centro de custo da maturação)
  • E finalmente, os gastos com salários do processo de envase do departamento do processo seria classificado no seguintes modo: 3.11.03.01.01 (conta de salários) 11.103 (centro de custo do envase)

Verifique que a única alteração de individualização foi o centro de custo e a conta é a mesma, assim se uma empresa tiver um gasto no valor de R$ 500.000,00 classificada na conta 3.11.03.01.01, podemos segregar os gastos efetuando a abertura da alocação aos centros de custos, se tivermos um gasto no valor de R$ 150,000,00 no departamento de processo e R$ 150.000,00 no departamento de maturação e R$ 200.000,00 no departamento de envase, basta apenas solicitar o desmembramento analítico dos centros de custos: 11.101 (processo); 11.102 (maturação) e 11.103 (envase).

No modelo do plano de contas acima, cada gasto possuiu uma conta contábil para facilitar o desmembramento de acordo aos seus eventos; as despesas com horas extras possui um código específico, que recebeu a classificação: 3.11.03.01.02, e assim sucessivamente.

Todos os gastos com o pessoal do administrativo são classificados no grupo de conta 3.2.1 e os gastos com salários do administrativos será classificado na conta: 3.21.05.01.01; e os gastos com salários do pessoal do comercial será classificado  no grupo 3.3.1 que agrupa a conta: 3.31.05.01.01.

Exemplo de classificação contábil:

  1. Salários do pessoal da produção no valor de R$ 1.645.000,00 foi desmembrado aos seguintes departamentos: Departamento de Produção no valor de R$ 740.250,00 (45%); Departamento de Maturação no valor de R$ 411.250,00 (25%) ; Departamento de Envase no valor de R$ 493,500,00 (30%). Os Encargos patronais seguiram a mesma proporcionalidade dos Salários do pessoal da produção.
  • Debitar: 3.11.03.01.01 (conta) 11.101 (centro de custo produção) R$ 740,250,00
  • Debitar: 3.11.03.01.01 (conta) 11.102 (centro de custo maturação) R$ 411.250,00
  • Debitar: 3.11.03.01.01 (conta) 11.103 (centro de custo envase) R$ 495.500,00
  • Creditar: 2.01.01.01.01 (conta de salário a pagar – passivo) R$ 1.645.000,00

Encargos patronais: classificar de acordo as alíquotas nas contas de custos a débito, levando em consideração os respectivos centros de custos.

2) Salários do pessoal do comercial foi desmembrado aos seguintes departamentos: Departamento de Marketing no valor de R$ 822.500,00 (50%); departamento de Vendas no valor de R$ 822.500,00 (50%). Os Encargos patronais seguiram a mesma proporcionalidade dos salários do comercial

  • Debitar: 3.31.05.01.01 (conta) 13.101 (centro de custo de marketing) R$ 822.500,00
  • Debitar: 3.31.05.01.01 (conta) 13.102 (centro de custo de vendas) R$ 822.500,00
  • Creditar: 2.01.01.01.01 (conta de salário a pagar – passivo) R$ 1.645.000,00

3) Salários do pessoal do administrativo foi desmembrado aos seguintes departamentos: Departamento de Controladoria no valor de R$ 253.500,00 (30%); departamento financeiro no valor de R$ 211.250,00 (25%) e departamento jurídico no valor de R$ 380.250,00 (45%).

  • Debitar: 3.21.05.01.01 (conta) 12.101 (centro de custo da controladoria) R$ 253.500,00
  • Debitar: 3.21.05.01.01 (conta) 12.102 (centro de custo do financeiro) R$ 211.250,00
  • Debitar: 3.21.05.01.01 (conta) 12.103 (centro de custo jurídico) R$ 380.250,00
  • Creditar: 2.01.01.01.01 (conta de salário a pagar – passivo) R$ 845.000,00

Conforme apresentamos acima, a classificação contábil segrega os eventos (gastos) a sua localização o que facilita ao gestor empresarial a identificação valores as suas respectivas áreas de responsabilidades.

Apresentamos abaixo um modelo de cálculo da folha de pagamento do pessoal horista:

Modelo de contabilização do quadro acima: considerando que funcionário trabalhe no departamento de fabricação:

  • Debitar: 3.11.03.01.01 (conta salários) 11.101 (centro de custo produção) R$ 4.801,28
  • Debitar: 3.11.03.01.01 (conta salários) 11.101 (centro de custo produção) R$ 1.200,32
  • Debitar: 3.11.03.01.07 (conta férias) 11.101 (c.custo produção) R$ 2.500,53
  • Creditar: 2.01.01.02.02 (conta INSS a pagar) R$ 608,54
  • Creditar: 2.01.01.02.01 (conta IRPF a pagar) R$ 1.059,63
  • Creditar: 3.11.03.01.10 (reembolso vale transporte) 11.101 (c.custo produção) R$ 288,08
  • Creditar: 2.01.01.01.01 (salários a pagar – conta passivo) R$ 6.045.98

(*) verifique que a contabilização a débito é o total de todos os gastos (salários, DRS, férias) e a crédito o funcionário recebe somente o valor líquido deduzido do IMPOSTO DE RENDA e INSS, tanto quanto do reembolso do vale transporte.

Abaixo os encargos sociais e as respectivas alíquotas patronais:

Modelo de cálculo de férias com 20 dias

Modelo de cálculo do salário mensalista

Modelo de férias do mensalista

Assim é de responsabilidade do contador o pleno entendimento dos gastos em suas classificações contábeis e acordo ao seu evento nas contas de custos e despesas alocadas aos seus respectivos centros de custos.

Material para download

MODELO DO PLANO DE CONTAS

FOLHA DE PAGAMENTO (003)

Um bom estudo

Prof. Alexandre Wander

 

 

Compartilhe nas Redes Sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui