Oito conselhos para investidores em ações de primeira viagem

0
401

Investir no mercado de ações traz oportunidades de ganhar mais do que na renda fixa e, ao mesmo tempo, diversificar os investimentos. A bolsa é popular nos Estados Unidos e em outros países, mas, no Brasil, ainda fica restrita a um universo pequeno, uma elite de investidores. E não é difícil encontrar pessoas com experiências ruins com ações, muitas vezes pela falta de preparo e conhecimento para investir. Esse despreparo transforma uma oportunidade num trauma, já que uma decisão equivocada pode levar o investidor a perder muito dinheiro.

Dentro desse universo de acertos e erros, várias pessoas olham os ganhos recentes da bolsa, com altas de até 20% no mês, e fazem planos para entrar no mercado financeiro e se tornar milionários. Mas é nesses momentos de alta, quando a bolsa chama mais a atenção, que o risco  é maior para quem não entende e entra na hora do  mercado realizar lucros e cair.

Os mais responsáveis, porém, vão antes se preparar e estudar a melhor forma de não se frustrar comprando a coisa errada na hora errada. E, nessa fase inicial de imersão no mundo das bolsas de valores, diversas dúvidas vão surgindo e acabam confundindo ainda mais a cabeça desses futuros investidores. Devo focar em empresas grandes ou pequenas? Escolher ações preferenciais ou ordinárias? Investir em bancos e fugir das estatais?

Pensando nesse universo de dúvidas e dilemas, convidamos o consultor da Eleven Financial Research, Adeodato Netto, e o Coordenador do Mestrado Profissional em Economia da FGV, Ricardo Rochman, para explicar em sete conselhos alguns elementos básicos do mercado de ações e ajudar a tirar as dúvidas daqueles que pensam em começar a investir.

1) Bolsa é investimento para longo prazo

A primeira ideia falsa é que a bolsa é um eterno jogo de compras e vendas constantes, diz Adeodato Netto. Esse tipo de estratégia é para profissionais, que podem se dedicar inteiramente ao mercado de ações. Para os demais, Adeodato afirma que a bolsa de valores deve ser encarada como uma opção de longo prazo. “A pessoa precisa esquecer aquela ideia de movimentação constante, de comprar e vender. A construção do lucro na bolsa demanda tempo, e não adianta jogar com a questão da volatilidade”.

É preciso também paciência e disciplina. Muitas vezes, ao vender uma ação porque o mercado está ruim, o investidor perde um movimento de alta inesperado, ou compra no momento em que o mercado está prestes a cair.

Outro ponto importante é compreender que, quando se investe em renda variável, não há garantia qualquer de rentabilidade. Por isso, vale ressaltar que o dinheiro que se vai investir tem de ser de longo prazo, não pode ser aquela renda que você precisará no curto prazo para cobrir possíveis gastos. E longo prazo quer dizer anos. Trabalhe com a sua segurança financeira em primeiro lugar e, o que sobrar, que puder ficar para aposentadoria, por exemplo, pode ir para a bolsa.

2) Defina o tipo de ação

Ricardo Rochman ressalta a importância de estar sempre atento ao tipo de ação que você pretende comprar. “É necessário conhecer os aspectos específicos da ação que você quer investir”, diz. A ação vale pelos direitos e obrigações que ela possui, e pode ser preferencial ou ordinária. Uma ação preferencial não dá direito a voto nas assembleias, mas, segundo Rochman, possibilita receber um dividendo superior aos das ações ordinárias, que dão direito a voto e com isso permitem participar da gestão da empresa.

Vale ressaltar que, mesmo no caso das ações ordinárias, o direito a participar das decisões em algumas empresas é limitado. É o caso da Petrobras, pois a maioria das ações estão nas mãos do governo federal. Logo, as decisões e a gestão da petroleira cabem somente a ele. Os demais acionistas são chamados de minoritários, pois não participam do controle. Nesse caso, ter uma ação ordinária não é tão relevante para o investidor, pois com o controle do governo, a participação desse voto é nula.

Há um risco na ação preferencial, que é no caso de a empresa ser vendida e não prever que o prêmio de controle será dividido com os donos de PN. Nesse caso, o valor pago iria para os donos de ações ON apenas, o que desvaloriza as PN. Foi o que aconteceu com a Ambev e pode ocorrer com empresas antigas, que ainda têm 75% de ações preferenciais e 25% ordinárias.

3) Conheça a companhia em que se está investindo

Uma das medidas mais importantes na hora de investir é conhecer profundamente a empresa cujas ações se vai comprar. Pesquise dados financeiros, balanços, perspectivas de investimentos e a estrutura financeira da companhia. Certifique-se de que a empresa é lucrativa, possui uma boa gestão e seja sólida. Para Ricardo Rochman, nessa fase de pesquisa “é importante entender que o que move o preço de uma ação de determinada empresa é o seu desempenho, sua rentabilidade e seu comportamento em relação ao setor e à economia nacional”.

4) Quantas ações comprar?

Rochman destaca também que a quantidade de ações que o investidor vai comprar também é importante. Para aqueles que estão começando, o ideal seria optar pela compra de 2 a 3 ações. “Depois que o investidor passar desse estágio inicial de reconhecimento do mercado, ele pode ampliar suas compras. No Brasil, para montar uma carteira bem diversificada são necessárias 10 ações de setores/portes diferentes. Nos Estados Unidos o número é 15 ações”.

5) Liquidez e estratégias

Ao iniciar no mercado, o novo investidor deve definir que perfil ele vai adotar para investir em ações, dependendo do tempo que poderá dedicar para acompanhar o mercado e do horizonte de retorno nesse processo. Ricardo Rochman e Adeodato Netto apresentam duas linhas diferentes que vão determinar o tipo de empresa e de estratégia para o investidor.

Para Rochman, o novo investidor, pensando em estratégias que durariam de 3 a 5 anos, deve escolher as ações de grandes empresas, que sejam sólidas e que tenham um bom nome no mercado. Para ele, o fator liquidez é muito importante e o investidor deve buscar ações com essa característica. Liquidez é o volume de ações negociados na bolsa. Quanto mais ações negociadas, mais líquida essa ação será a ação e mais fácil será comprar ou vender o papel. Mas é preciso tomar alguns cuidados. O coordenador de mestrado da FGV aconselha evitar papéis da Petrobras, pois eles são constantemente utilizados como termômetro da economia e sofrem influências de medidas do governo e da política no geral, o que pode significar grandes lucros ou grandes perdas.

Já Adeodato acredita que o investidor deve pensar em um investimento de um período longo, de 5 a 10 anos, e deve evitar papéis com maior volatilidade e liquidez, bem como os papéis das estatais e de commodities, como Vale, Petrobras e Usiminas. Para ele, essas ações oscilam muito em um curto espaço de tempo e não são negociadas de forma alinhada com seu fundamento enquanto empresa. Ou seja, seu preço não reflete bem seus resultados ou sua solidez, mas fatores ligados à economia ou à política. Ele ressalta que existem diversas companhias com menor liquidez, ou volume negociado, e que possuem menor exposição e alarde em cima delas, com preços atrativos, e que podem ser uma boa sugestão para compra. “Para quem está começando, essa exposição menor ajuda na hora de compreender o desenvolvimento da ação. É sempre muito mais relevante saber sobre a companhia do que o tipo de ação”.

6) Procure uma corretora

Depois de definir qual ação comprar e quais empresas investir, é necessário que o investidor procure uma corretora de ações. É por meio dessa corretora que serão realizadas as negociações de compra e venda e a guarda (custódia) dos papéis. Para Rochman, deve-se estar atentos a alguns aspectos importantes na hora de escolher a corretora. “O investidor deve observar os custos para operações e os serviços oferecidos pela corretora, que podem ser apenas de compra e venda e custódia, ou também análises e sugestões de ações”. Ele destaca que é muito importante estar seguro quanto à qualidade do sistema oferecido para negociação de ação, bem como a segurança. “A corretora deve fornecer um sistema confiável e estável”.

Algumas corretoras também oferecem treinamento e cursos para atuar no mercado financeiro. Mas, nesse ponto, o investidor deve ficar atento para não ser influenciado na hora de definir suas estratégias. “É sempre bom procurar sites e páginas na internet com outros pontos de vista sobre metodologias e estratégias, ficando sempre atento com relação à parcialidade do conteúdo. É interessante pegar a opinião de outras instituições, sobretudo algumas mais isentas”, completa Rochman.

7) Estude sobre o que é investir

Um dos elementos que mais diferenciam os bons investidores dos ruins é o nível de conhecimento sobre o mercado, as ações e as estratégias que estão sendo tomadas. Estudar a dinâmica do mercado é fundamental para qualquer pessoa que pensa em entrar nesse universo. É necessário dominar sua estratégia, ter sangue frio e foco no seu objetivo de lucro, para que possíveis reveses não levem ao desespero de vender a ação na primeira queda e perder o melhor momento.

Segundo Rochman, um conselho importante é estudar finanças comportamentais, buscando compreender e dominar qualquer viés que atrapalhe o desempenho do investimento. Por exemplo, evitar as dicas de amigos que sempre ganham, nunca perdem. “É essencial sempre compartilhar ideias com pessoas que já investem no mercado, mas com muito cuidado para não ser influenciado por aproveitadores”.

Há fontes de informação em sites especializados de notícias financeiras e corretoras que fornecem aos seus investidores estudos sobre as companhias. Mais recentemente, surgiram casas independentes que vendem análises de empresas, caso da própria Eleven.

8) Rotina do investidor

Uma aplicação em renda variável, diferente da renda fixa, demanda acompanhamentos constantes. Existem oscilações e flutuações diárias conforme o movimento do mercado, e é importante compreender que, quando se compra a companhia pelo fundamento, pensando no longo prazo, deve-se tomar cuidado para não se deixar influencia pelo dia-a-dia de sobe e desce da bolsa.

“Às vezes ocorrem grandes altas ou baixas que podem enganar o investidor. Ao acompanhar a bolsa, é importante lembrar do longo prazo, e não ficar no movimento diário”, afirma Adeodato. Segundo ele, é mais importante acompanhar a realidade da economia e os balanços da empresa do que o comportamento diário das ações. Afinal, ninguém vende o carro ou a casa porque ela caiu de preço em determinado mês.

fonte:

Oito conselhos para investidores em ações de primeira viagem

 

Compartilhe nas Redes Sociais