AUDITORIA DA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA – A INTEGRAÇÃO DA AUDITORIA CONTÁBIL / FINANCEIRA COM A AUDITORIA OPERACIONAL E DA GESTÃO –

0
975

(A CONVERGÊNCIA DA “VARIAÇÃO PATRIMONIAL” E A “TOMADA DE DECISÃO”) (“ÊNFASE À PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL”)

Professor Doutor Antonio de Loureiro Gil QUESTÃO. •

“A SINTONIA DA AUDITORIA CONTÁBIL / FINANCEIRA COM A AUDITORIA OPERACIONAL E DA GESTÃO DEVE PRODUZIR RELATÓRIO DE AUDITORIA COM NOTAS EXPLICATIVAS VALIDANDO E AVALIANDO A UTILIDADE DOS RELATÓRIOS CONTÁBEIS – FINANCEIROS NA PERSPECTIVA DAS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS” —- É A PRIORIDADE PARA A AUDITORIA DA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA?

INTRODUÇÃO

A Governança Corporativa e o Disclosure na Controladoria Estratégica impõem transparência e responsabilidade organizacional para com os stakeholders.

A auditoria de negócios, na perspectiva da emissão de relatório de auditoria único, com a sintonia e integração das recomendações da auditoria contábil / financeira com aquelas da auditoria operacional e da gestão trazem a governança e o disclosure a novos patamares lógicos e de conhecimento da real possibilidade de continuidade operacional das organizações privadas ou governamentais.

 

O MAXIMIZAR A UTILIDADE DA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA NO FOCO.

A auditoria de Accountability (prestação de contas) com foco na sintonia da Logística com a Controladoria para a “governança da qualidade da sustentabilidade” implica novos patamares de conhecimento técnico – operacional a stakeholders —- particularmente, investidores, executivos, gestores e profissionais especializados integrantes das entidades públicas ou privadas —- os quais devem atuar em equipes multidisciplinares com conhecimento mútuo das práticas de integração “auditoria operacional e da gestão” com “auditoria contábil / financeira”.

O verificar a variação das métricas monetárias associada à variação das métricas não monetárias e com o subsequente aplicar do modelo de tomada de decisão do negócio implica maior utilidade a controladoria estratégica como área do conhecimento necessária ao sucesso das estratégias organizacionais.

Trabalhar a vertente “problema; risco; estratégia; projetos; solução; resultados” exige esforço na análise das métricas monetárias (visão controladoria) e não monetárias (visão logística) para captar conhecimentos externos e internos ao negócio —- “inteligência competitiva” associada ao “capital estrutural” em ação.

 

A “auditoria da controladoria estratégica” compreende o validar e avaliar o momento “estratégia” do modelo de gestão organizacional e seus subsequentes reflexos nos demais momentos da gestão via a utilidade, na tomada de decisão, de:

1 – demonstrações contábeis.

2 – relatórios orçamentários.

3 – relatórios de custos.

4 – relatórios / mapas de investimentos.

5 – demais relatórios contábeis / financeiros.

 

2 – A LÓGICA E A PROVA DO ARGUMENTO.

As decisões / ações de melhoria do desempenho e contenção de falhas necessitam utilidade segundo o enfoque de precisão no objetivo (visão da efetividade), correção de rumo (visão do risco) e força / impacto no resultado (visão da eficácia) e para tal informação e conhecimento adequado são imprescindíveis para enfrentar a mudança de posicionamento técnico – operacional da concorrência.

A auditoria detém, de forma subsidiária aos processos decisórios, desperdícios funcionais e incorreções, quanto ao uso do conhecimento integrado da controladoria com o da logística, suportando decisões mais abrangentes e adequadas ao contexto do problema a solucionar considerando a cultura organizacional.

O comportamento profissional / funcional de especialistas de controladoria e da logística convergentes é o objetivo do relatório integrado de auditoria contábil / financeiro e técnico / operacional.

A Controladoria utiliza as demonstrações e relatórios contábeis com a visão da “variação patrimonial”:

1 — no horizonte “passado / presente” para demonstrar a força / intensidade / reflexos patrimoniais das decisões concretizadas.

2 – no horizonte “presente / futuro”, com a gestão de risco inclusa, para demonstrar as apostas do impacto patrimonial das decisões a ocorrer —- a “previsibilidade patrimonial” em ação.

 

Os profissionais especializados da área de Controladoria (contadores; economistas; administradores; engenheiros) necessitam foco na abordagem “variação patrimonial” viabilizada pela Ciência Contábil para as análises dos resultados advindos / obtidos com os projetos de mudança elaborados ou a elaborar e sintonizados como decorrência das estratégias organizacionais vigentes.

Palestras, seminários, treinamento e pesquisas devem ser acionados para a perfeita compreensão do fazer e do usar a tecnologia da auditoria da controladoria estratégica, inclusive com foco na “previsibilidade patrimonial”.

 

A CIÊNCIA DA GESTÃO É A CIÊNCIA DA DECISÃO.

A CIÊNCIA CONTÁBIL É A CIÊNCIA DO PATRIMÔNIO.

A AUDITORIA DA SINTONIA DOS MOMENTOS (1) “VARIAÇÃO OU PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL” E (2) “TOMADA DE DECISÃO” COMPREENDE VERIFICAR A CONVERGÊNCIA DA CIÊNCIA CONTÁBIL COM A CIÊNCIA DA GESTÃO.

O objetivo da auditoria da controladoria estratégica é verificar, de forma integrada, o “processo / produto” empresarial, financeiro e estratégico, com ênfase ao melhor usar os resultados da controladoria para planejar, exercer e controlar as estratégias organizacionais —- o agregar valor ao empreendimento é o foco da auditoria estratégica do negócio —- a “governança da qualidade da sustentabilidade” das organizações em ação.

 

3 – CONCLUSÃO.

A auditoria da controladoria estratégica visa dar maior vigor á utilidade dos relatórios contábeis – financeiros na perspectiva das estratégias organizacionais.

Dê um “banho” de cultura gerencial e tecnológica do século XXI aos profissionais de sua organização ou aos alunos de seus cursos de pós-graduação —- contrate o professor Loureiro Gil e equipe para explanar ou desenvolver as abordagens discorridas no presente mini artigo.

A utilidade da “Auditoria da Controladoria Estratégica” está associada ao fundamento “previsibilidade patrimonial” —- “motor da qualidade dos processos decisórios do século XXI”.

Incorporar novas práticas e tecnologias contábil-financeiras a “metodologias para gestão ou auditoria da gestão do negócio privado ou governamental”, com objetivo de “decisões estratégicas” e de “projetos táticos” precisos / certeiros, é momento atual das organizações vencedoras neste século XXI.

A educação nos níveis de graduação, pós-graduação (extensão e especialização), mestrado acadêmico ou profissionalizante (MBA) ou de doutorado —- nas faculdades e universidades privadas ou públicas, bem como, nas universidades corporativas —- na atividade “Auditoria da Controladoria Estratégica” deve ser analisada e revisada.

Tratar a “expectativa patrimonial” é mandatório quando do exercício da auditoria dos processos decisórios.

Fonte:(http://crcgo.org.br/novo/wp-content/uploads/2016/03/Mini-artigo.pdf)

 

Compartilhe nas Redes Sociais