SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) – Uma nova fase da operação Lava Jato lançada nesta quarta-feira cumpriu 25 mandados de busca e apreensão com o objetivo de aprofundar investigações sobre “possíveis atos de corrupção e lavagem de dinheiro” em contratos entre a Petrobras e fornecedores, disse o Ministério Público Federal (MPF).

São alvos da apuração, que teve ações localizadas em Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Sergipe, acordos assinados em 2011 entre a estatal brasileira e a Sapura, joint venture local entre as multinacionais Seadrill e Sapura Energy.

O MPF disse que apura “indícios” de que a Sapura teria contratado “intermediários e operadores financeiros” para entrar em leilões da Petrobras e obter informações privilegiadas de dentro da estatal mediante pagamento de “1,5% do valor dos contratos a título de propina”.

Os procuradores, que disseram que as medidas da operação também atendem pedidos de cooperação jurídica internacional, apontaram que extratos bancários teriam mostrado transferência de valores para executivos da Sapura, um deles da Sapura no Brasil e outro ligado à Sapura Energy, na Malásia.

Compartilhe nas Redes Sociais